Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Violet Clouds

Ainda de 2016 - A tattoo

Pois é, aqui a maria Dani andava a falar muito de tatuagens isto, tatuagens aquilo, se fazia ou não, tinha que ser algo muito certo...

Acabei por fazer e por uma boa causa. Bom, não fui eu a ter o gesto nobre mas sim a magnífica Daniela Salvador, que trocou tatuagens de 5cm por bens alimentares e outros essenciais para auxiliar uma família da localidade em necessidade. Para mim continua a ser um gesto de ajuda - até porque o decidi marcar na minha pele ao invés da minha tia.

E também foi para lhe mostrar que não dói assim tanto, embora estivesse um tanto ou quanto borrada de medo mas pronto. Também pulei logo para um sítio que nunca ninguém se lembra, quando a tatuadora (linda!) me diz que na verdade até é dos sítios que dói menos. E então lá foi: combinei tudo isso com algo que adoro tanto e que de uma forma ou outra sempre marcou os meus blogs, principalmente o primeiro. Daí surgiu...

20161215_184510.jpg

Adorei-a, não doeu praticamente nada. Aliás, ia adormecendo na marquesa. Já tenho de a retocar porque as estrelinhas à volta já sumiram mas disseram-me que é normal; entretanto divirto-me com a reação das pessoas, principalmente as que não esperavam que eu fizesse algo assim. E fico de coração cheio quando olho para ela e sei porque a tenho. Ah... E fico sempre super feliz quando me dizem que é a minha cara!

Do dia de hoje

Ora bem.

Primeiro dia pós Natal. Ainda as festividades vão a meio e já se pensa por aqui em canjinha e chá para fazer um ligeiro detox senão não se aguenta. Ainda há sobras, mesmo que este ano tenhamos feito menos doces para "não sobrar" mas há sempre maneira de isso acontecer. Também ando com os pesos de um lado para o outro por descargo de consciência. Acho piada quando me dizem "Esquece a balança e o exercício agora" e do nada, uma Dani meio inchada e refilona exclama: "Esqueço uma ova, posso não emagrecer mas ao menos não engordo, cacete!". E daqui saem sempre caras de espanto, acompanhadas de um "Não tinha pensado nisso dessa forma" ou um "Eh... Good point".

Nem me quero lembrar que ontem foi um Natal deveras sombrio, gente. A morte do George Michael ´foi mesmo de nos apanhar a todos de surpresa por trás, recheada de ironia até à raíz. Deus o tenha em bom descanso, assim como todos aqueles que sucumbiram a esta terrível onda de massacre musical que ocorreu em 2016. Credo... Já chega, ainda faltam cinco dias para o final do ano e uma pessoa já tem medo de quem possa ainda vir a seguir.

E por fim, como se já não me tivessem perguntado há uns dias atrás, está na hora de talvez pensar em resoluções de Ano Novo - e como faço todos os anos, espero trazer-vos essas resoluções para cá uns dias antes do Reveillon. É certo que já tenho umas pensadas, e vou-me repetir um pouco, houve algumas resoluções que correram bem. Mas há uma ou duas penduradas de um ano para o outro... E para o outro... E para o próximo... Que se calhar têm mesmo de ser revistas.

Sabem, aquelas resoluções que não se concretizaram e que já se deu quinhentas voltas ao assunto. Não falo de ideias como perder peso (essa é sempre constante, hei-de lá chegar) ou de ver alguma coisa em particular (como neve no meu caso, com certeza que um dia terei mesmo essa chance), mas falo daquelas resoluções que por muito que a gente tente, tem sempre um buraco e já se tentou demasiadas vezes. Talvez seja hora de serem revistas, sim.

Talvez seja hora de pensar melhor na minha vida doutro ponto de vista e procurar perspetivas de todo o lado... E mudar o meu ponto de vista.

 

... Wow

Foi uma semana cheia, de facto. Tenho uma mão cheia de coisas boas para vos contar. E praguejar a S. Pedro por ter mandado chuva aos baldes só aos fins-de-semana. Fui ao Porto e por causa de tanta chuva não pude mostrar e rever tudo o que queria. Bem, haverão mais oportunidades claro.

Mas tem sido mesmo uma semana cheia de coisas boas. Alegra-me dizer que teve mais coisas boas que más, em contraste com o maldito verão que já acabou. Mas as coisas boas passam depressa e agora estou sozinha outra vez até ao Natal.

Acho que estou a seguir uma tendência da m-M e os seus globos de neve. Se fosse de propósito não seria tão certo, mas o meu homem tem-me trazido sempre um globozinho de neve novo quando volta de França. Já me trouxe um da Alemanha e um da Suíça. A coleção está a crescer a olhos vistos e fiquei devastada quando um deles começou a verter desalmadamente e não o consigo arranjar (chorando muito, genti... Era o meu globo mais especial...).

Mas todas essas coisas boas vão ter de ficar para amanhã. Hoje só vim mesmo dizer que estou viva e que apesar de muito ocupada com as explicações, foi uma semana feliz.

E já chorei ontem, por muito que seja contra chorar. Pode ser que amanhã vos explique porquê.

 

Mas por hoje só vos desejo boa noite.

Em pulgas!

Estou em pulgas e não quero estar. Mas com o aproximar do fim de semana é impossível conter-me. Não quero ter esperanças mas pelo amor de Deus, é difícil.

Vou a casa.

Estive lá tão perto no verão e doía olhar no horizonte e querer ir lá ter. Mas vou a casa. Vou voltar nem que seja por dois dias, mas vou voltar a ter o coração no peito. Perdoem-me as lamechices, mas nunca mais me senti completa desde que deixei de lá ir. E tenho pena de não voltar a ver alguns amigos de longa data. Pode ser que nos cruzemos. Eu espero que sim. Vejo-me a contar os dias, tal e qual como quando era miúda. Estou eufórica e não aguento. Já sei que vai chover em princípio (obrigadinha, S. Pedro...) mas... Posso não ser do Porto e arredores mas sempre me disseram que um dia de Sol ali é dia abençoado. E sempre fui no inverno, portanto raramente estava solarengo. Mas não interessa.

Vou lá estar.

E eu sei que vai ser má ideia alguns locais, dado o fim de semana ser de luto aqui por casa. Mas se fosse eu, não iria querer que os meus filhos e família chorassem. Acho que deve ser a vontade dela também.

Ai jasus. Apetece-me sorrir. Mas aqueles sorrisos grandes e rasgados. Mas ainda não é hora.

Há-de ser. =)

 

Un petit a part #48

A repetição deste número do Un petit a part tem uma boa justificação.

Tinha-vos escrito acerca de dois irmãos algures por aí a viverem vidas diferentes à nora. Nas mãos do Destino. Embora apenas tivesse quase a certeza acerca de um deles, o outro... Nem por isso. Era informação de fonte bastante duvidosa e é impossível não ficar de pé atrás. Afinal de contas era uma teatrada, como se fosse algo muito giro para uma brincadeira e no fim de contas foi apenas uma fantochada.

Podia barafustar acerca de como é que há quem perca tempo com dramas e mentiras e prolongar-me com críticas à sociedade mas a verdade é esta. Há quem viva uma mentira pegada e honestamente, não sei até que ponto é que a verdade passa a ser uma pergunta retórica para estas pessoas. A verdade é que há quem o faça e viva bem consigo mesmo e ninguém pode emendar o que não tem arranjo.

No entanto não significa que um e outro não estejam à mercê da Sorte para sobreviver.

Espero que um deles, mais velho, já seja um senhor e já tenha a sua vida estável. Talvez um dia nos cruzemos. E só desejo que o outro tenha toda a sorte no Mundo e nunca desista de sonhar. Perder a esperança nos nossos sonhos dói demais. Queremos sempre proteger a criança em nós que há muitos anos atrás pensou sobre o nosso futuro ou perguntou-se, ainda que por meros segundos, como iríamos ser agora. O que faríamos. O que seríamos. Quais dos nossos sonhos já teríamos concretizado.

Agora que penso nisso acho que nunca fui exigente com os meus sonhos. Nunca sonhei muito alto, ainda que isso seja subjetivo. Ainda que há bem pouco tempo me tenha apercebido de que sonhar dói bastante, mas ainda tenho fé de poder voltar a sonhar um dia sem medo.

Espero que para eles corra tudo bem. Espero que tenham força para concretizarem os seus sonhos e acima de tudo, coragem. Aquela que já pensei de não ter.

Talvez os nossos destinos se cruzem um dia.

Talvez um dia nos encontremos (ou reencontremos) sem rancôr ou mágoa. No meio disto tudo, somos inocentes.

Portanto a vós leitores perdão pelo desaparecimento do post. Voltou a ser atualizado. Mantenho no entanto, este parágrafo:

Quanto muito, desejo o que para mim é essencial: que tenham sorte na vida e que sigam sempre o caminho certo. E que quando isso não aconteça, que aprendam com os erros e sigam sempre em frente de cabeça erguida e sorriso no rosto. Que tenham força para continuar e que não tenham medo de chorar, que corram atrás do que os cativa e que concretizem todos os seus sonhos. Que sejam honestos e gentis.

E que sempre que se sintam sozinhos, que existe alguém no mundo com toda a certeza que sabe do que eles são capazes.

 

 

Nota para mim mesma:

O blog precisa mesmo de uma lufada de ar fresco. E eu a pensar que o fundo estava intacto... É o que dá o hábito do telemóvel. Mas ainda estou apaixonada pelo cabeçalho. Talvez o possa completar com alguma coisa.

E finalmente dei a volta aos blogs que sigo aqui! Infelizmente alguns deixaram de postar... E felizmente outros surpreenderam-me bastante! Agora é ir dar uma volta ao bloglovin e depois aos meus novos subscritores (gente obrigada, não sei como têm paciência para mim ultimamente mas enchem-me o coração de alegria).

Também é bom relembrar-me de dar uma volta às rúbricas do blog e descobrir quais devem ficar e quais devem sumir. E atualizar outras tantas. E voltar em pleno. E para boas notícias a Sapo criou uns templates giríssimos que tenho de experimentar e tentar encaixar aqui no Violet Clouds, porque apesar de programadora, ainda hoje me arrependo de não ter dado ouvidos nas aulas de webdesign. Ai vida. Isso também me ajuda a pensar em voltar a estudar programação quando possa.

 

Tenho a vida toda viradinha do avesso e não compreendo de onde me saiu esta inspiração toda para voltar ao blog em peso hoje, agora, mas vem em boa hora, porque estou a dar em louca. Não sei se foi a boa surpresa depois da tempestade que ateimo em tentar não criar expetativas para ela - sério, depois de tanta lambada uma pessoa já tem medo... - ou de já estar quase a voltar ao "trabalho" em pleno agora em Outubro. Só sei que gostava que isto se prolongasse por mais de uma noite e que não tivesse tanto medo de arriscar e de tentar achar uma solução.

E Deus, se também por acaso estás a ler isto, dá-me uma boa notícia. Por favor. Mas obrigada pelos pequenos momentos de felicidade.

 

Boa noite,

Daniela

 

PS: Outubro, só te digo olá. Que se lixem os resultados do mês de Setembro e os pedidos para ti. Faz o que tens a fazer, traz o que a bagagem te deu para mim, seja o que Deus quiser, mas não quero mesmo criar mais expetativas ao ínicio de cada mês. Era tudo muito divertido mas de repente tornou-se numa espécie de agoiro danado.

Vous parlais français?

Pasmem-se, que parece que vou ter de voltar a aprender francês e matemática para auxiliar os meus alunos em pleno. Nada contra nenhuma das disciplinas, mas tenho um ódio peculiar ao francês e não é apenas por motivos correntes. Tenho milhentas razões para detestar a França neste momento, mas este desprezo profundo à língua francesa já vem dos tempos de escola, quando o professor nos ensinava françoriano e não francês, se deixava dormir nos testes e só dava os 5 às minhas colegas que vestissem as calças mais justas. Até porque convenientemente o homem tinha 1,40m.

Ou seja, o pouco que sei falar não é nada de jeito e cada vez que tento, ouve-se uma gargalhada sonora pela casa porque só saem asneiradas. A minha sorte é que me adapto rapidamente a uma linguagem nova e isso, espero eu, haverá de se resolver brevemente.

Foi-me dado o objetivo de aprender a falar francês correto até ao Natal e já me ter recordado de toda a matéria de matemática de 5º e 6º ano. Haja saúde, porque tenho noção de que isto só me ajuda ainda mais a preencher o meu currículo.

Valha-me nossa Senhora, mas francês é horrível...

Muita fé, porque por este andar hei-de comprar baguetes pelo Natal e usar bóina de pintor. Omelette au... Fromage! (já sei, o pobre do Dexter enganou-nos uma vida inteira...)

 

 

Internada, não!

Já fico feliz hoje com o simples facto de não ter sido internada por causa de uma inflamação intestinal. Não vou passar a noite lá nem vou beber chá de alface (apesar de não me ter safado de uma dieta que é quase... A pão e água). Muito chá e muita água de arroz e esperemos que isto vá ao sítio sem me encher de medicação.

Mas hoje já fico feliz por outro motivo.

Os miúdos voltaram à explicação e acho que nunca fiquei tão feliz por vê-los. Não só por voltar a trabalhar, mas porque senti mesmo falta deles. Das gargalhadas, da ordem de sentido quando têm de ouvir alguma coisa, da cumplicidade entre eles para tentarem sair mais cedo ou para se safarem de sarilhos, do carinho e dos miminhos que eles dão "à explicadora". Parece que não é muito mas vou voltar a estar ocupada e a ajudar em casa com o que posso.

Devagar, devagarinho. Hoje é dia de organizar tudo, preparar dossiers e folhas. Hoje é dia de voltar à luta.

 

Nope, try again #2

Juro, gente, que tive prestes a começar este post para o "Lógicas da Batata" depois de ter consultado os resultados no site das colocações mas visto que não posso fazer nada, calei-me. Fiquei meio irritada por ter visto que até poderia ter entrado numa das opções sem problemas com uma nota mais alta na prova de ingresso requirida... Mas as médias do secundário estragaram a coisa.

E nem falo nas outras duas opções, foi terrível. Sinceramente já vou fazer a candidatura à segunda fase com fé... Na fé mesmo, porque nas minhas notas não é de certeza. Cheira-me que uma futura tentativa será pelos maiores de 23 daqui a uns anos...

Continuando. Suspirei um bocado de alívio na parte de poder fazer alguma coisa agora e depois de uma longa conversa com familiares, atirei-me para a procura de emprego. Se já dava uma olhada pela Net.Empregos just in case quando ainda estava à espera de notícias, agora mais rapidamente o faço certo? Não me espantei muito com a exigência costume de experiência ou de licenciaturas, aquelas combinações de requisitos sem nexo, mas fiquei motivada por ter começado a procurar. Da conversa com os familiares surgiu então as opções que tenho: as explicações como o "desenrasca" estão garantidas, mas procurar trabalho é uma prioridade, assim como formações que valham a pena ou que me enriqueçam a nivel curricular. Também já tinha pensado em investir no estudo e aperfeiçoamento da minha área profissional para não me esquecer de nada... E também coloquei no meu leque de opções a possibilidade de procurar algo como tradutora, indicado por uns amigos do meu padrasto quando estive em Fiães, que também me leva a pensar em fazer um curso de certificação da língua inglesa. É certo que estou desesperada e que estou aliviada - em parte - por ter alguma coisa em backup, mas quero mesmo pôr as pilhas. Quero mesmo arrancar desta estagnação e começar a desenvolver carreira em alguma coisa, quero estar ativa, quero crescer profissionalmente.

Quero mesmo ser mais ativa financeiramente e ajudar a minha família, quero dar-lhes alguma estabilidade financeira e começar a amealhar para o meu futuro. E voltei a fazê-lo, estou em busca disso e sei que não vai ser fácil. porque tenho alguns condicionamentos mas não posso desistir.

E perdão pelo apelo, mas se souberem de algo ou alguém à procura de pessoal para a secção informática (com noções básicas de programação), I'm your girl. Também sou ilustradora de manga e anime. Sou meio envergonhada e ainda à procura do primeiro emprego, mas dêem-me uma oportunidade.

Now... I just can't give up. Quiçá Outubro me traga um milagre na segunda fase.

 

Nope, try again.

Ora... Pois, a sorte foi zericos. Não entrei em lado nenhum.

Ainda estou para confirmar as vagas sobrantes para poder tratar da candidatura à segunda fase, mas depois de uma rapariga bastante simpática me ter auxiliado nas minhas dúvidas, as chances continuam sem ser muito positivas. Ainda assim, ela aconselhou-me a tentar na mesma e quem sabe, pode ser que tenha sorte. A diferença de médias entre mim e o último colocado é de 1,5 ou mais valores e eu sei que decididamente isso quer dizer más notícias.

Mas folgo em ver que o tempo torturoso de espera acabou. Esperar até dia 6 de Outubro sempre é mais rápido do que esperar o Verão inteiro e tenho uma perspetiva muito mais alargada do que se passa, quais são as chances e acima de tudo, o que posso fazer agora. As cordas que me prendem de fazer alguma coisa alargaram-se um bocado e isso dá-me espaço nem que seja para respirar e pensar no passo seguinte.

Coisa que tem sido super importante nestes últimos dias.

Estou saturada de estar parada e ser obrigada a esperar por resultados para fazer alguma coisa sem perder o juízo. Agora já posso avançar, nem que seja para ponderar as hipóteses que tenho na mesa.

Haja saúde...

 

 

Light Purple Pointer
Follow on Bloglovin

Quem passou por cá ♥

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D