Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Violet Clouds

Un petit a part #50

Faço 24 anos em exatamente sete dias (visto que já passa da meia noite) e a minha vontade de fazer uma celebração é -20. É que nem o bolo quero cortar.

Não sei se isto é sinal de que não quero mais envelhecer (e ainda nem cheguei aos 30) ou se simplesmente nunca tive a sorte de fazer uma boa festa. Mas perdi o gosto por ajuntamentos com os anos... Não gosto de ter gente presente de obriga.

Acho que se há forma de me voltar a fazer sorrir e sentir como uma pluma é se me surpreenderem a 100%. Um dia sem gritos, uma ida a algum lugar que eu goste, um sorriso sincero. Se for para uma prenda, que seja algo útil e versátil como uma luzinha para livros, que me permita ler no segredo silencioso da noite.

Bolas, que nova-adulta chata. Mas graças a Deus que não estou só nesse dia. Ainda há quem me anime no meio do escuro.

 

 

 

 

Oh, June ♥

Parece que Junho já chegou e ainda ontem estava a celebrar o ínicio do ano.

Esta semana ponderei inúmeras vezes num hiatus para aqui. Sinceramente o blog já estava em hiatus sem ser declarado, tenho a noção disso. Porém, já chega de estar parada. até tenho assuntos para falar, para investigar e que me façam correr atrás daquilo que quero. O que falta - e muito! - é mesmo a vontade, todos os dias depois de derrotas e mais derrotas.

Ter voltado à blogosfera esta semana ajudou-me com isso. Não quero espalhar a minha negatividade - para isso já basta eu ter de a gramar diariamente. É difícil transportar a boa vibe daqui para fora da tela, porque ainda existem muitas barreiras a mandar abaixo, mas há que se começar por algum lado. E certamente que não vou desistir em Junho. É o meu mês. Daqui a uns dias vou ser uma geminiana de 24 anos que precisa seriamente de pôr as pilhas no seu lado eufórico e com garra que leva sempre tanto esforço para acordar. O meu aniversário não me diz nada há muitos anos, mas tem sempre uma espécie de luzinha algures escondida, à espera que eu a destape para proclamar vitória e ser feliz sem ter medo de um tropeção de cara cheia no asfalto. Nunca se sabe!

Portanto, numa questão de boa fé, peço ao mês de Junho que faça juz à sua graça e que aguente comigo!

E para hoje tenho a pedir-vos algo novo:

Indiquem-me os vossos blogues favoritos! É claro que vou voltar a dar a volta aos vossos cantinhos todos, mas quero conhecer mais pessoas e quem melhor para tal que vocês que me aturam? Tenho muito que pôr em dia e confio em vós para tal!

 

Um beijinho muito grande,

Daniela

 

 

É dia de festa!

Porque a m-M faz anos! E ela merece todo o carinho deste mundo e de todos os outros existentes!

(E este ano o post vem no dia certo!)

Já faltam poucas horas para acabar mas espero que tenhas tido um dia fantástico e que continue a sê-lo! Que tenhas muito amor, muito carinho e alegria e que contes muitos mais anos, felizes, com todos os que amas a ver!

Não tenho uma prendinha para te dar mas tenho os meus votos de um dia excelente a alguém como tu. Obrigada pela oportunidade de te conhecer aqui na blogosfera e pelas mensagens de carinho que me deixas aqui. Obrigada por tudo ♥

 

 

I'm alive!

Boa tarde gente! Espero que esteja tudo bem convosco por estes lados.

Tenho sido ruim e não tenho vindo aqui com a frequência que desejo ou que prometo. Penso que já devia ter cá passado para, ao menos, vos dizer como correu o exame (a dia 22... já é dia 29... isto está mau...). Também só tenho podido ler os vossos posts e não tenho comentado, sorry...

Desde que saí do exame (seriously, desde que pus os pézinhos cá fora depois daquelas duas horas do capeta) que me sinto drenada de energia, cansada, exausta, you name it. Consegui repôr os sonos depois de ir à praia duas vezes (sim... duas. Já fui à praia mais vezes este ano do que o ano passado e o anterior juntos, jasus) e apesar de não me sentir naquele pico de ansiedade monster à espera dos resultados, continua cá presente. Achei o exame minimamente acessível (honestamente, se o foi para mim, que nunca dei aquela coisa, deve ter sido mais fácil para quem tem aulas e para quem se safa naquilo ou para quem conseguiu estudar tudo). Sei que apesar de muito recusar, às 19h dei por mim a fazer as contas com o meu exame. E se por algum motivo de desgraça nenhuma das minhas respostas certas for anulada, consegui um 9,8.

Ou seja, consegui o mínimo que pretendia. O que acertar mais vem por acréscimo e é recebido de muito boa vontade e a segunda fase é uma ideia a ponderar, dependendo do que me digam na secretaria. Este ano vejo a luz ao fundo do túnel, pequena mas presente. Esforcei-me, dei o litro e sei que se não consegui mais, a culpa não foi minha. Foi fruto do meu esforço, solo, meses e meses a ler, a pesquisar, a tentar compreender. E por agora só me resta mesmo rezar para serem generosos na avaliação e mais tarde no ingresso.

Desde então até agora, tem sido para desinchar (sim, não perdi o jeito, a Dani ainda incha tipo peixe-balão depois dos exames, incrível!) e para o descanso. Algumas prendas de aniversário foram já compradas para um casamento e já não sou um fantasma, já tenho uma cor minimamente normal.

Sendo sincera, pensei mais uma vez em fazer aqui uma pausa. Raramente cá venho e não é por desinteresse, atenção. Continuo a adorar o blog, a blogosfera, os meus leitores. Mas não tem sido fácil arranjar assuntos para cá vir sem que sejam negativos em excesso. Eu sei que faz bem deitar tudo cá para fora, é um facto, mas também tenho de me concentrar nas coisas boas e raras.

Acho que foi essa última linha que me fez pensar, "não, vais pôr a cabeça no sítio e vais encarar a vida. E vais falar daquilo que queres. E vais encontrar o bom no meio do mau. O blogue foi o que te ajudou a emergir. E pode perfeitamente voltar a fazê-lo".

 

So... Para este post não ficar muito grande, see you next time. Nada de pausas. Só de boas vibes e saber entendê-las.

Boa tarde,

Daniela

Hey June!

It's finally June!

Junho tem sido um mês agridoce para mim.

É o meu mês. Faço anos daqui a qualquer coisa como 12 dias (porque antes da 19h são ainda 12 dias). 23 primaveras, credo, arrepio-me com o número. Uns dias a seguir sigo para o exame, tento dar a volta à vida novamente. Vou ver a minha melga no fim do mês e mesmo no fimzinho, vem de França o namorado. Apesar de infelizmente mais datas se colocarem durante Junho, fico em silêncio. Peço lá acima que olhem por eles. Parece-me justo e não creio que alguém queira que passe estes dias cabisbaixa por trocas e baldrocas que não estão em meu poder de alterar. Consegui não entristecer da primeira vez, penso eu. Sorrirei, este ano.

A sensação de querer celebrar o meu aniversário e ao mesmo tempo esconder-me do mundo anda a batalhar aqui dentro. Anseio por surpresas e receio ser surpreendida pela falta desse elemento, pelo esquecimento. Ou por ser só mais um ano.

Algo que me espanta pela positiva é o pessoal a perguntar o que me oferecer. Não sei, gente. Surpreendam-me. Tenho preferência a coisas de que necessite ou mesmo essenciais. Em caso de dúvida, perguntem a quem saiba. Mas em caso de falta de inspiração, a intenção é o que conta.

Guarda-me boas surpresas, Junho. Por favor. Tenho fé em ti.

Boa tarde,

Daniela

Happy birthday, Violet Clouds!

Jasus. Três anos de Violet Clouds!

 

Acho que estou prestes a bater o meu recorde pessoal de seis anos. Infelizmente, esses antigos seis anos foram inativos em cerca de 80%. Nesse aspecto, já me ultrapassei a mim mesma, mas a vontade de ser mais ativa é presente e necessária.

O Violet Clouds nasceu para me representar e mostrar o que os meus olhos vêem. O que as minhas mãos fazem, o que o meu coração sente. Não posso censurar o meu próprio espaço de estar vazio quando eu própria não estou muito realizada. E o percurso até lá também não é muito recheado, mas talvez precise mesmo de olhar para o mundo em detalhe cada vez mais amplificado, procurar pelas coisas simples. Se formos a ver, em comparação ao início, até tenho coisinhas para mostrar e contar, mas com o tempo achei que certos items eram menos valiosos do que relatar uma viagem ou um momento.

Em todo o caso, tenho o coração aqui depositado, assim como as minhas vitórias e derrotas. E aqui o exponho a quem o quer ler e seguir, pessoas por quem nutro bastante carinho. Certamente continuarei, e espero melhorar!

 

A todos vós que continuam a seguir as minhas aventuras, um muitíssimo obrigada e que estejamos cá todos para o ano!

Boa tarde,

Daniela

 

 

Espero ainda estar a tempo!

Que infelizmente já vou longe do teu aniversário, mas foi o mais cedo que pude. Os dias passam-se um bocado turvos e tontos, mas não me esqueci!

m-M fez anos, 30 anos, e eu queria ter chegado mais cedo aqui. Queria ter aqui chegado com um post só para ela, a desejar-lhe um feliz aniversário com tudo de bom e que ela bem merece, e com um mega abraço virtual a caminho. E a dizer-lhe também o quão fantástica que ela é, uma das pessoas que eu mais admiro desde que voltei estou na blogosfera com o Violet Clouds! Desde que a conheci aqui :D

 

E de facto chego aqui com esse post. És uma amiga fantástica e muito carinhosa e já me deste muitos, muitos sorrisos. Desculpa o meu atraso, mas a minha intenção é a mesma, a de e desejar um aniversário super feliz. ♥

Beijinhos grandes,

Daniela

Happy (belated) birthday to me ♥

Atrasei-me com o post sobre o meu próprio aniversário. De facto isto de estudar confunde-me os horários todos. Ainda assim venho muito a tempo de o fazer... Ou assim o espero.

Como todos os anos, posso dizer que o celebrei em dois dias - assim como o meu amigo de berçário, que nasceu um dia antes de mim e que toda a vida me acompanhou. A dia 13 celebrou-se o dia dele. A dia 14 celebrou-se o meu. Mas já no sábado se planeava em como me pôr a beber à meia noite, como no domingo se comentava os primeiros minutos do rapaz. É sempre engraçado, é sempre pegado.

Mas este ano foi diferente.

As prendas não foram tão diversas, focando-se 90% em vestuário. Precisava-o. Claro que tenho roupa, mas não sou das que pode renová-lo a cada época de saldos. E a necessidade para algo digno de uma entrevista de trabalho ou sem remendos já era muito grande. Acho que pela primeira vez me senti bem em comprar roupa numa loja; apesar da C&A ter roupa de tamanhos grandes, não precisei de ir a essa secção. Pela primeira vez os números correspondiam à realidade e as primeiras escolhas cabiam quase sempre, ou caso não o fosse, havia números maiores (ainda fora da secção de plus size). Deduzi que a dieta estava finalmente a dar frutos, após três semanas. E pela primeira vez estava a escolher peças com as quais me identificava, ao invés de padrões estranhos como os que a avó escolhia na minha adolescência. Às bolinhas ou às cornucópias. Quase sempre roupa preta e cinzenta para fazer um luto imposto ou que ela também pudesse vestir. E uma das peças foi especial.

A Dani vestiu pela primeira vez uma saia. Quer dizer, já vesti em mais jovem, mas não nestas circunstâncias. Não foi uma saia qualquer. Não era daquelas pretas sem pregas como as que as senhoras velhotas usam, nem de ganga, escolhidas dentro dos mesmos parâmetros descritos acima para as blusas. É branca, é fluída e é comprida. Dei por mim no fim do dia, a caminho da festa de aniversário do meu amigo, a brincar com as bainhas da saia pelos dedos dos pés, como uma criança. E apesar da minha largura, sentia-me bem. Sentia-me bem de corpo, de espírito, em todo. A última vez que me senti tão divertida com uma saia foi entre os 12 e os 14 anos, quando comprei uma curta rodada, também muito gira. A dieta, por consequência, acabou por me reeducar na alimentação e desintoxicar. E o exercício físico tem-se refletido na resistência, na elasticidade e até na sensação não tão boa de ter as pernas rijas como rochas.

Nessa mesma noite também me estreei no convívio noturno. Pela primeira vez saí a um sábado à noite. Ríamos em grupo na rua e não me senti deslocada do grupo, mesmo com gente acabadinha de conhecer. Fugíamos da chuva e não me pareceu estranho ou embaraçoso. Estreei-me nos shots (!!!) e achei graça por ser a única a não me queixar de ardor no estômago. Rimos, a meia-noite chegou, fui bombardeada de mensagens e carinho. O retorno a casa foi marcado pela chuva que apesar de fria, foi bem-vinda. Olhei pela janela do carro e refleti sobre tudo. Dei por mim a sorrir.

O meu 22º aniversário prolongou-se até ao final de Domingo com mais chuva, gargalhadas numa festa pacata e a molenguice que se apressa a chegar depois de um almoço de fim-de-semana. Houve quem dormisse e não me importei. Notei que estavam todos relaxados e divertidos. E apesar de uma controvérsia ou outra, o dia acabou comigo a sentir-me recarregada e motivada. A dieta ficou na pausa mas não havia problema, era um dia especial. E ninguém que não fosse bem recebido o interrompeu. E agora, até à próxima Segunda-Feira, vai ser só trabalhar no duro.

Afinal, aquele feeling de que algo bom me esperava este ano estava mais do que certo.

 

Daniela

 

O blog fez dois aninhos... Então, unhas!

... E infelizmente, como se já não fosse costume, atrasei-me com o evento.

Com toda a honestidade possível não me sinto feliz em celebrar este aniversário. Quer dizer, confeso haver uma dualidade de opiniões presente por dois grandes motivos: gosto do facto de manter o mesmo blog há dois anos e uns dias... Mas mal tenho falado convosco. Nada de desenhos, de nail-art, nem das lógicas da batata. Ou os Un petit a part. Não sei se isto é certo, mas se a prenda da casa dos vinte e poucos anos é sentir-me cada vez mais repudiada pela sociedade, então a coisa está a decorrer da forma certa. Em par com esse facto, nem o estudo me tem corrido bem. Se pego no livro é de esperar que daí a cinco minutos algo surja para me interromper ou para me deitar abaixo. Tão certo quanto me chamar Daniela.

Bem, mas tristezas à parte, a ver se dou um chuto nas traseiras deste karma e se reavivo o blógui. A minha sorte no meio do azar é que vou dando sinais de vida numa rede social onde, por enquanto, ainda não recebo tanto mau agoiro e más notícias, que é o Instagram. E por lá, tenho publicado praticamente toda a nail-art que tenho vindo a fazer e que não tenho podido mostrar-vos. Pensei que nunca poderia fazer algo deste género, mas o atraso na rúbrica e a constante publicação das fotos à parte deixaram-me criar uma mini-montagem de como as minhas unhas se têm "vestido". Claro que falta aqui muitas outras, porque as fui repetindo. A manicure pergunta-me quando é que as publico aqui, e eu respondo por norma "quando tiver inspirada a lá ir".

Hoje que se lixe a inspiração. Tenho saudades do meu pequeno mundo. Portanto, aqui têm um pequeno pedaço de vários tipos de nail-art.

 

unhas.jpg

Gostaram? Alguma preferida? Espero, de ora em diante, ir publicando-as individualmente na rúbrica mais adequada. Há muita coisa que precisa de ser mudada e renovada, mas ainda estou a reunir forças para fazer tudo isso. Até breve,

Daniela

A autora

foto do autor

Light Purple Pointer
Follow on Bloglovin

Quem passou por cá ♥

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D